Um novo conceito em Hospital Dia
Siga-nos:

E-mail

clinicaartcorporis@uol.com.br

Telefone

(61) 3542-2782 / 99921-6282

Menu

Hanseníase pode ser tratada em qualquer unidade de saúde

Hanseníase pode ser tratada em qualquer unidade de saúde
Guia de Conteúdo

O último domingo de janeiro — neste ano, dia 28 — é o Dia Nacional de Combate e Prevenção à Hanseníase. Além disso, por ser de conscientização sobre a doença, o mês recebe o apelido de Janeiro Roxo.

No Distrito Federal, a Secretaria de Saúde reforça que o diagnóstico e o tratamento podem ser feitos em qualquer unidade da rede pública.

Segundo a dermatologista da pasta Janaína Amorim, da equipe de Vigilância Epidemiológica em Hanseníase, a média dos últimos sete anos tem ficado estável, com cerca de 200 casos anuais. No ano passado, 217 pessoas foram diagnosticadas com a enfermidade em Brasília.

Também conhecida como lepra, a hanseníase é transmitida pela bactéria Mycobacterium leprae e pode atingir pessoas de qualquer idade, homens e mulheres.

Para haver contaminação, esclarece Janaína, é preciso ter um contato íntimo e prolongado com a pessoa infectada que ainda não esteja em tratamento — assim que os cuidados para a cura começam, a bactéria para de evoluir e de ser contagiosa.

Por isso, o diagnóstico precoce é fundamental. “Temos de fazer o monitoramento na rede de pessoas que convivem com aquelas com hanseníase”, informa a médica.

TRATAMENTO PRECISA SER FEITO POR COMPLETO – Para descobrir se há infecção, é necessário um exame minucioso no corpo do paciente. A pessoa pode também fazer o autoexame e procurar por manchas nas costas, atrás da orelha e nas nádegas, entre outras partes.

O tratamento leva de seis meses a um ano, em geral. Janaína ressalta que o paciente não deve abandonar o tratamento na metade, porque a bactéria pode desenvolver resistência ao medicamento.

HANSENÍASE É SILENCIOSA E DEMORA A SE MANIFESTAR – A doença é silenciosa e pode demorar de dois a cinco anos para apresentar os sintomas iniciais.

“Na primeira mancha, não sabia o que era, aí fui perdendo a sensibilidade. Se eu tivesse tratado logo, teria feito a diferença”, conta um paciente da unidade básica de saúde do Núcleo Bandeirante que prefere não se identificar.

As perdas de sensibilidade em quem tem hanseníase são térmicas, dolorosas e táteis e podem ser percebidas em ações do cotidiano

Ele tem 43 anos, trabalhava com ferragem e teve de se aposentar por invalidez depois de contrair a doença.

Quando as primeiras manchas esbranquiçadas começaram a aparecer no braço, o homem pensou que pudesse ser pano branco — um tipo de micose — e esperou passar.

Demorou cerca de dois anos para ser diagnosticado. Já havia perdido o movimento de fechar a mão e de movimentar os dedos.

As perdas de sensibilidade em quem tem hanseníase são térmicas, dolorosas e táteis e podem ser percebidas em ações do cotidiano. “Você está andando, e o chinelo fica”, exemplifica o paciente do Núcleo Bandeirante.

Também é comum que as pessoas se queimem no fogão sem que percebam. “Eu evito ficar perto do fogo e de locais em que possa me cortar, porque não sinto.”

Avalie post
CO2 Fracionado

Clínica Art Corporis

Oferecemos centro cirúrgico, com leitos para internação para outras especialidades.

Categorias

Veja também

pele sensível
Dermatologia

Cuidados Especiais para Pele Sensível

Ter uma pele sensível requer cuidados especiais para mantê-la saudável e protegida. Descobrir a rotina adequada e os produtos certos

Cirurgia Plástica Brasília